INÍCIO /// ACTUALIDADE
 
 
 
 
 
A cimeira decorre de 21 a 24 de fevereiro.
Artigo publicado a 2019-02-21 /// 139 visualizações
 
Uma cimeira para acabar com os abusos na Igreja
O Vaticano assiste, a partir de hoje, a um encontro inédito que junta os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo para debater o tema da proteção de menores na igreja.
Aos 114 presidentes, junta-se o Papa Francisco, representantes das ordens religiosas e outros especialistas e membros do clero que vão, em conjunto, refletir sobre esta problemática e encontrar forma de «transformar a Igreja no espaço seguro que ela deve ser», conforme disse D. Charles Scicluna, um dos membros da organização, na conferência de imprensa que serviu para lançar o tema.

Os três dias vão ser dedicados a temas diferentes. Por ordem - Responsabilidade, Responsabilização (prestação de contas) e Transparência - cada um destes temas será abordado em cada dia sempre com a mesma metodologia: depois da oração da manhã, haverá discursos de especialistas ou membros do clero, possibilidade de perguntas da parte dos participantes, trabalho em grupos linguísticos (o português, ao contrário do Sínodo dos Jovens, não será uma das línguas), plenário com as conclusões desses trabalhos e uma oração final, à tarde, na qual dará testemunho uma vítima de abuso sexual.

A importância dos testemunhos das vítimas de abuso sexual tem sido um enfoque importante do Papa. Antes do encontro, pediu a todos os presidentes das conferências episcopais que escutassem as vítimas nos seus países antes do encontro, o que foi feito por D. Manuel Clemente, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), bem como por muitos outros.

Posto isto, o encontro iniciará com um vídeo em que darão o seu testemunho cinco vítimas de abusos sexuais, e todos os dias os bispos irão escutar testemunhos de vítimas de abusos em todo o mundo na oração ao final da tarde, e no sábado haverá uma celebração penitencial na qual tomarão parte todos os participantes e onde se irão ouvir mais testemunhos de abusos.

O Papa Francisco estará presente em todos os momentos dos trabalhos. No início, fará uma pequena introdução, e no final da missa de domingo, que não será presidida por ele, fará um discurso aos participantes que encerrará o encontro. Esse será o discurso que marcará o que sair destes dias de trabalho.

A vontade de transparência do Vaticano tem sido muito enfatizada. De tal forma que foi criado um site (www.pbc2019.org) especificamente dedicado ao encontro no qual se poderão encontrar todas as intervenções dos oradores, uma contextualização de tudo o que a Igreja tem feito para combater este problema dos abusos, toda a legislação existente e muitos mais coisas sobre o assunto.

Lá podem encontrar-se informações sobre vários países que já têm regulamentação para lidar com esta problemática, e mais devem ser acrescentados, entretanto. Portugal não faz ainda parte desta lista, mas já tem, desde 2012, regulamentação para «o procedimento a adotar em caso de conhecimento de factos que indiciem ou evidenciem situações configuráveis como abuso sexual de menores», conforme se pode ler no documento elaborado pela CEP.

Texto e fotografia de: Ricardo Perna.

A reportagem em Roma no Encontro sobre Proteção de Menores na Igreja é realizada em parceria para a Flor de Lis, Agência Ecclesia, Família Cristã, Rádio Renascença, SIC e Voz da Verdade.
 
Bookmark and Share