INÍCIO /// ACTUALIDADE
 
 
 
 
 
"Veio para estar com Deus através de Maria."
Artigo publicado a 2017-05-15 /// 1108 visualizações
 
Temos Mãe!
Opinião de Nuno Castela Canilho, diretor da revista "Flor de Lis" sobre a peregrinação do Papa Francisco a Fátima, em 2017.
A vinda do Papa Francisco a Fátima, em 12 e 13 de maio de 2017, não foi uma visita pastoral do Sucessor de Pedro, nem uma visita de Estado do Chefe de Estado do Vaticano. Poderia dizer-se ter-se tratado de uma peregrinação do Padre Jorge a Fátima, mas também não foi isso. O Papa, o 'Bispo Vestido de Branco' – que afinal não é um papa determinado, mas a Igreja Católica como um todo – dirigiu-se à Praça Branca do planeta para se dirigir, em oração e penitência, à Mãe do Deus-Filho, que Ele próprio ofereceu ao Mundo. E, junto de Maria - Mãe, o Papa veio pedir o auxílio para o seu magistério, para a Igreja e para o Mundo.

Por isso foi uma visita especial.

O Papa Francisco, visivelmente cansado, penitente e bastante focado, não veio para estar com os portugueses, nem para exortar uma ou outra ideia do seu riquíssimo programa pastoral. Veio para estar com Deus através de Maria, falar com Deus através de Maria, dedicar-se a Deus através de Maria e dar-Lhe Graças.

Na primeira intervenção do Papa (*1) no santuário assumiu-se imediatamente como um 'Bispo vestido de branco' e com isso deixou claro ao que vinha e quem era, ali. Rezou, durante oito minutos, em silêncio absoluto e de pé. Estarreceu as centenas de milhar de peregrinos de 53 países da Terra que a ele se associaram e percebeu-se o plano do Papa “do fim-do-mundo”.

Na intervenção de sexta-feira, na benção das velas (*2), o Papa Francisco deixou clara a ideia de que a ‘Marianolatria’ não é aceitável. Que Maria é um caminho para chegar a Deus e não é uma deusa. Impressionou a frieza com que o Papa declarou que Maria não é “A 'Santinha' a quem se recorre para obter favores a baixo preço”. O Papa demonstrou saber que o assunto não é de somenos importância. “Bendita por ter acreditado”, “Mãe de Misericórdia”, “A primeira a Segui-Lo”, Maria-Mãe não É por si, Maria é caminho para chegar ao Filho que é, também Ele, "Caminho, Verdade e Vida'.

No sábado, na sua homilia (*3), por três vezes, numa intervenção catequética clara, o Santo Padre usa a expressão “Temos Mãe!”. Claramente, depois de uma liturgia da palavra em que ficaram claras as imagens de Maria-Mãe – do Apocalipse de João Evangelista e do Evangelho em que Jesus entrega a Mãe aos cuidados do discípulo amado e da Igreja –, o Papa retoma a ideia apresentada na noite anterior e fala-nos que acolhamos Maria como o discípulo amado: ‘Eis a tua Mãe!’. O Papa exorta-nos a portarmo-nos como filhos, a olharmos para Maria como o Amor Filial, de quem acha, inocentemente, a sua como a mais bela das mães; a deixarmo-nos educar por Maria e vermos a Sua atitude de Misericórdia como uma lição; que sejamos ‘Sentinelas da Madrugada’, que sejamos operacionais atentos e dinâmicos.

O Santo Padre que pareceu ter chegado a Portugal muito cansado deu a impressão de que voltou a casa revigorado. Pareceu mais feliz à saída do que à chegada. Quando uma jornalista lhe perguntou o que tinha sido esta viagem, o simpático Padre Jorge respondeu: “Uma benção!”.

A visita a Fátima do Santo Padre foi, também para nós - católicos e escuteiros - muito positivo. A canonização de São Francisco Marto e de Santa Jacinta Marto foi, também ela, uma benção. Saibamos aproveitar esta Graça e ouvir o Santo Padre.

*1 http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/prayers/documents/papa-francesco_preghiere_20170512_fatima.html

*2 http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2017/may/documents/papa-francesco_20170512_benedizione-candele-fatima.html

*3 http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2017/documents/papa-francesco_20170513_omelia-pellegrinaggio-fatima.html

Texto de: Nuno Castela Canilho. Fotografia de: Agência Ecclesia e Família Cristã.
 
Bookmark and Share